Lgcta2.gif (7527 bytes)

 

Rede CTA-Consultant, Trader and Adviser
Pelo Desenvolvimento Limpo de um Novo Mercado Financeiro!
Sindicato dos Economistas no Estado de São Paulo
Rede - Sindecon Tel/Fax.: 3107.2035 - amyra@netdoctors.com.br


01005000001 - Environment Commodities - Reciclagem x - Os 3 "R" e o Meio Ambiente - Sidney Grippi

23.05.2000

Environment Commodities  - Reciclagem

Os 3 "R" e o Meio Ambiente

Por Sidney Grippi*

Reusar, recuperar e reciclar, estas são as palavras de ordem no contexto do gerenciamento dos resíduos sólidos. Os estudiosos da matéria, andam cada vez mais preocupados com a quantidade de lixo que diariamente é enviada desnecessariamente aos aterros sanitários, admitindo obviamente, que estamos falando de uma destinação a aterros sanitários tecnicamente ditos, pois como sabido pelas estatísticas, grande parte dos municípios brasileiros operam com verdadeiros e vergonhosos lixões; o que agrava o cenário do gerenciamento do lixo em nossas cidades.

O que tem preocupado e curiosamente é investigado, é o que ocorre com o lixo depois de disposto no solo. Sabe-se efetivamente, que num período médio de 15 anos, ocorre a degradação total de produtos crus e biodegradáveis. Após 15 anos, o nível de degradação é praticamente nulo e depende de fatores que não estão disponíveis em um aterro sanitário para que o processo de degradação continue. Nesta questão da degradação dos resíduos, sabe-se que nas camadas do lixo, há a presença abundante de nitrogênio e metano, gases que surgem naturalmente no processo da decomposição da matéria orgânica sem a presença do oxigênio (processo anaeróbio).

Quantificando os tipos de resíduos pelo seu volume, verificou-se ainda em pesquisas, uma relação de 55% de papel para 12% de plástico (4 vezes menor), com destaque ao surgimento de várias listas telefônicas que estavam aumentando de forma significante o volume de papel nos aterros. O uso de embalagens de plástico, permitiu comparativamente a outras embalagens tradicionais como o vidro ou as latas, uma redução importante na ocupação de espaço nos aterros, decorrente de que 28 gramas de plástico eqüivalem a 1 Kg dos demais. A pesquisa divulgada pela ABIQUIM (Associação Brasileira da Indústria Química) foi realizada a partir da analise de amostras de resíduos removidos de aterros sanitários até 30 metros de profundidade, onde foram então encontrados jornais, revistas, listas telefônicas, plásticos de toda ordem e resíduos de alimentos. Foram encontrados também jornais da década de 50 totalmente intactos sem sofrer o processo da degradabilidade como era esperado.

Diante dos resultados apontados, convém perguntar: É realmente necessário o envio de jornais, revistas e listas telefônicas para aterros ? Evidentemente que não ! Como aprendizado para ser exercido por todos, podemos sugerir as seguintes boas práticas:

1 – Reduzir a geração de resíduos, reusar e recuperar materiais e reciclar ao máximo;

2 - Em relação aos alimentos, comprar somente o necessário para não haver desperdícios;

3 – Procurar adquirir produtos cuja embalagem seja reciclável ou que possam gerar volumes menores nos aterros;

4 – Sempre que possível, optar por produtos sem as embalagens, elas geralmente são tratadas com lixo;

5 - Utilizar papeis de menor gramatura, utilizando sempre as duas faces da folha de papel.

Como observado por estes pequenos exemplos, ao alcance de todos, temos o costume de mandar para o lixo muita coisa que pode ser reaproveitada. A reciclagem tem papel fundamental dentro do conceito de desenvolvimento sustentável, cabendo a cada um de nós fazer sua parte e cobrar eficiência do setor público a quem cabe gerenciar o lixo urbano com eficiência e responsabilidade.

Sidney Grippi * é Biólogo, pós-graduado em Engenharia Ambiental pela Escola de Engenharia da UFRJ, pós-graduado em Perícia e Auditoria Ambiental pelo Centro de Estudos Ambientais da Universidade Estácio de Sá / RJ, possui especialização em Meio Ambiente pelo Instituto Tecnológico Ambiental Mapfre - Espanha, Environmental Auditor and Lead Assessor for Quality Systems. Conselheiro do CFBio – Conselho Federal de Biologia. E-mail: grippi@resenet.com.br

Para ilustrar o artigo de Sidney

Mulheres Líderes: Maria das Graças, de lixeira a ativista premiada
Por Mario Osava
Rio de Janeiro, maio/2000 - A ONU escolheu uma brasileira para receber um de seus prêmios mais importantes. Alguém que soube como juntar os cacos de uma profissão estigmatizada pela sociedade para dar dignidade a centenas de catadores de lixo de Belo Horizonte. Essa mulher é Maria das Graças Marçal, uma profissional das ruas que sobreviveu a onze irmãos e criou nove filhos.  Fonte- IPS/Envolverde http://www.envolverde.com.br


"A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo"     Peter Drucker

[ Topo ]

UJGOIÁS - O Universo Jurídico