Lgcta2.gif (7527 bytes)

Rede CTA-UJGOIAS - Consultant, Trader and Adviser
Pelo Desenvolvimento Limpo de um Novo Mercado Financeiro!
Sindicato dos Economistas no Estado de São Paulo
Rede - Sindecon Tel/Fax.: 3107.2035 - amyra@netdoctors.com.br


03027000049 - Environment Justice x Finance - ISTOÉ - http://www.terra.com.br/istoe/ 09.08.2000 - O perigo mora ao lado - Guerra biológica na Amazônia 23/08/00

Environment Justice x Finance -

ISTOÉ - http://www.terra.com.br/istoe/   09.08.2000

O perigo mora ao lado -  Guerra biológica na Amazônia

Fantasma da guerra biológica ronda a Amazônia com a intenção do governo americano de jogar fungos na Colômbia para combater o tráfico

Florência Costa – Bogotá

O governo brasileiro está se fingindo de morto diante de uma verdadeira bomba-relógio em que se transformou a Colômbia, separada do Brasil por 1.600 quilômetros de extensão de terra na floresta amazônica. Mas agora, com a poderosa injeção de US$ 930 milhões que os Estados Unidos vão aplicar na Colômbia – a maior parte para alimentar o desacreditado aparato militar do País, sob o pretexto de combater o narcotráfico, através do polêmico Plano Colômbia –, o Brasil terá seus dias contados para permanecer em cima do muro. É que um fantasma começa a rondar a América do Sul: o de uma possível "vietnamização" e "balcanização" da Colômbia, começando pelo Sul do país, que faz fronteira com Equador, Peru e Brasil. Este cenário inclui ingredientes explosivos como guerra biológica e fumigações com produtos químicos em plena porta de entrada da Amazônia, para combater as plantações de coca e de papoula (da qual se fabrica a heroína), escalada de conflito armado patrocinada pelos dólares, assessores e helicópteros militares americanos numa região dominada pelas guerrilhas esquerdistas colombianas. Para completar, a entidade internacional Via Campesina prevê uma onda de 150 mil refugiados camponeses na região de Putumayo, onde o Plano Colômbia vai começar a ser implantado. Os guerrilheiros já advertiram que vão derrubar os helicópteros militares doados pelos "gringos".

Novo Vietnã – O Equador – onde os Estados Unidos instalaram uma base militar, em Manta – já começa a ter pesadelos com as previsões de que cerca de 25 mil camponeses, segundo o jornal Guardian Weekly, podem desembarcar em seu território, fugindo da guerra química, biológica e militar. Além disso, eles temem acabar envolvidos no conflito armado. "O Equador não poderá se converter num novo Camboja se na Colômbia acontecerem conflitos como os do Vietnã", advertiu o presidente do Congresso, Juan José Pons. O governo brasileiro continua quieto e não se pronuncia sobre os aspectos militares e políticos da ajuda militar americana à Colômbia, considerando esse assunto uma "questão bilateral", apesar de todos os reflexos que isso possa trazer ao Brasil, como muitos analistas vêm advertindo. Mas o perigo de uma guerra biológica na Amazônia fez com que a diplomacia brasileira rompesse a barreira do silêncio. Segundo o Itamaraty, o governo Fernando Henrique Cardoso está atento e preocupa-se "com uma possível utilização de fungos contra os cultivos ilícitos que possam contaminar a rede fluvial brasileira (rios Içá e Japurá)". Se armas biológicas forem utilizadas, de acordo com a nossa diplomacia, o governo vai "fazer gestões e requerer garantias de que o território brasileiro não será afetado".

"A grande preocupação para nós é a guerra biológica na Amazônia. O Brasil tem que se precaver se forem usar os fungos, como o Fusarium oxysporum, que podem atingir também outros cultivos, não ilícitos, que são de sobrevivência dos camponeses da região. Além do mais, quem garante que essas armas biológicas não possam vir a atingir a Amazônia brasileira? As fumigações (com utilização de produtos químicos espalhados por aviões, que matam não só as plantações de coca e papoula, mas os cultivos normais, de subsistência, ambos desenvolvidos pelos camponeses) já foram feitas nos últimos oito anos e a área plantada de coca cresceu 30%", advertiu Walter Maierovitch, ex-secretário nacional antidrogas e presidente do Instituto Brasileiro Geovanni Falconi, dedicado ao estudo de assuntos como criminalidade organizada. Ele ressalta ainda que as fumigações provocam danos ecológicos, fazendo com que os camponeses se desloquem. "Esta é outra preocupação, os deslocamentos populacionais para os países vizinhos, que sempre acontecem em guerras, como na Europa, onde espalharam-se refugiados da guerra dos Bálcãs", acrescentou. A guerra química e biológica não é uma novidade para os americanos, que utilizaram no Vietnã o agente laranja, que desfolhava as selvas do país atacado.

Com suas atenções voltadas muito mais para o oceano Atlântico, o Brasil não vê, mas bem ali, do nosso lado esquerdo, a Colômbia transformou-se num palco de um drama humanitário, com cenas de barbárie semelhantes às que chocaram os europeus durante a guerra de Kosovo, por exemplo. As vítimas preferenciais são os camponeses, cerca de 14 milhões em todo o país, um verdadeiro exército desarmado praticamente esquecido pelo Estado, que se transformou em alvo de uma guerra suja patrocinada principalmente pelos grupos paramilitares, financiados por narcotraficantes e latifundiários. Esses verdadeiros pelotões de tortura e morte, também apelidados como "paras", liderados por Carlos Castaño, o chefão das temidas Autodefesas Unidas de Colômbia (AUC), contam com a conivência e ajuda de boa parte do próprio Exército colombiano. Este, por sua vez, terá a valiosa "mãozinha" de Washington. Os pelotões da morte se especializaram em massacrar e torturar pequenos e médios agricultores, que vêm sendo expulsos de suas terras, dentro de um processo que vem sendo chamado de contra-reforma agrária.

Guerrilha – Os "desplazados" (desalojados), quase dois milhões de pessoas, segundo a ONG colombiana Consultoria para Direitos Humanos e Deslocamentos, perambulam pelas montanhas, fogem para as cidades, onde abrigam-se em favelas, nas ruas, debaixo das pontes e vivem de bicos e esmolas num país que amarga hoje uma das suas piores crises econômicas, com a taxa de desemprego chegando a 20%. Elo mais frágil da tragédia colombiana, os camponeses vivem ainda sob fogo cerrado da sangrenta guerra travada entre as duas guerrilhas de esquerda há quase quatro décadas – as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e o Exército de Libertação Nacional (ELN), que dominam 40% do território –, exército, polícia e grupos paramilitares. As perseguições aos camponeses vão ser denunciadas na ONU, em relatório que será entregue em novembro, preparado pela organização Via Campesina, sediada na Bélgica, que reúne entidades representativas de camponeses e pequenos agricultores do mundo todo, entre elas o MST, que já começou a se manifestar no Brasil em defesa dos companheiros colombianos. Patrocinadora de uma campanha internacional pela reforma agrária, a Via Campesina enviou, há três semanas, uma missão de observação à Colômbia, incluindo um representante do MST, que viajou pelo interior do país para verificar as condições de vida dos camponeses.

Idealizado pelo presidente Andrés Pastrana – teoricamente para tirar o país do atoleiro econômico, da guerra e das teias do narcotráfico –, o Plano Colômbia está roubando o sono de muita gente, entre políticos, entidades defensoras dos direitos humanos, ambientalistas, ONGs e especialistas em questões militares na Colômbia, na Europa e nos Estados Unidos. "A zona escolhida para começar o Plano Colômbia tem interesses estratégicos para o Estado, como megaprojetos de exploração petrolíferas. É o ponto de entrada e controle da Amazônia, com toda a sua biodiversidade e recursos naturais. A escalada militar em Putumayo é uma aventura de resultados imprevisíveis", observa o economista colombiano Hector Mondragón. "O Plano Colômbia é uma intervenção branca dos Estados Unidos na Colômbia. Os americanos querem, na verdade, que os governos vizinhos à Colômbia, inclusive o Brasil, coloquem suas tropas no país para combater os guerrilheiros e o narcotráfico. Mas as Forças Armadas brasileiras não querem intervir de forma nenhuma no conflito colombiano", diz o deputado federal José Genoíno (PT-SP), um dos parlamentares que mais se dedicam às questões de defesa do Brasil. Mas o diretor do Escritório de Política Nacional para o Controle de Drogas da Casa Branca, general Barry McCaffrey, conhecido como o czar da luta contra o narcotráfico, afirma que a colaboração americana vai "ajudar o governo colombiano a controlar seu território, reduzir a produção de drogas e o seu tráfico para os Estados Unidos", além de "fortalecer a democracia, a estabilidade econômica e os direitos humanos na Colômbia".

Ingerência – Um dos maiores temores é de que com o militarizado Plano Colômbia, orçado em US$ 7,5 bilhões (sendo que o governo colombiano aplicaria US$ 4 bilhões e o restante seria financiado pela comunidade internacional) as atuais negociações de paz entre as guerrilhas e o governo colombiano vão acabar sendo enterradas. Diante da atuação de Tio Sam nas barbas do Brasil, os partidos de esquerda latino-americanos, reunidos no chamado Foro de São Paulo, vão reivindicar dos presidentes da América do Sul, que se encontram neste mês em Brasília, que rejeitem a "ingerência americana na América do Sul". O coronel da reserva Geraldo Cavagnari, do Núcleo de Estudos Estratégicos da Unicamp, lembra que a nossa fronteira com a Colômbia já está guarnecida militarmente com cinco mil homens, mas diz que o problema é que não se sabe o que vai acontecer como consequência do Plano Colômbia. "A neutralidade da diplomacia brasileira não conduz a nada. O Brasil deveria se pronunciar a favor da negociação de paz entre a guerrilha e o governo colombiano. Mas nem os Estados Unidos nem o governo colombiano querem um acordo porque sabem que teriam que conceder poder à guerrilha, que até agora está sendo vitoriosa. Para o governo da Colômbia é muito mais cômodo manter o narcotráfico e continuar recebendo dinheiro americano para combater a guerrilha", analisou Cavagnari, advertindo que o uso militar para combater o narcotráfico nunca deu certo.

A ameaça do fungo

Em nome da luta contra o comunismo, os Estados Unidos patrocinaram uma guerra militar e biológica no Vietnã, utilizando o famoso agente laranja, que desfolhava a selva, e o agente azul, que dizimava as plantações de arroz, base alimentar dos vietcongs. Agora, em prol do combate ao narcotráfico, os americanos pressionam o governo colombiano para usar armas biológicas (agentes que atacariam os cultivos de coca, papoula e maconha) no país, especialmente na sua parte que lhe cabe da Amazônia. O capítulo das armas biológicas é um dos mais controvertidos do chamado Plano Colômbia. Do país saem cerca de 80% das drogas consumidas nos Estados Unidos. Há cerca de 120 mil hectares de coca e 17 mil hectares de papoula (da qual se faz a heroína) plantados na Colômbia.

A simples possibilidade de se utilizar um fungo chamado Fusarium oxysporum, – em meio à discussão sobre como erradicar os cultivos ilícitos – deixou entidades ambientalistas, países vizinhos à Colômbia, a comunidade científica e os camponeses que vivem no Sul do país em estado de alerta máximo. Se fosse líquido e certo que este fungo (que infecta a planta através de sua raiz, provocando sua morte), ou outras armas biológicas que estão sendo novamente estudadas, atacasse somente os cultivos ilícitos, não prejudicasse o meio ambiente nem a saúde das pessoas, tudo bem. Mas não é. Testes realizados em meados da década de 90 mostram que o fungo Fusarium oxysporum pode infectar outras espécies. Não se sabe tampouco se o fungo, por ter longa vida, pode sofrer mutações, infectando outras plantas "inocentes". O governo peruano já se negou a testar ou desenvolver o polêmico fungo em seu território. Mas o governo americano, que tem a chave do cofre, pressiona os colombianos a adotar algum tipo de arma biológica. As autoridades locais dizem que não aceitam usar fungos estranhos à biodiversidade do país e por isso vão pesquisar se o Fusarium oxysporum é nativo da Colômbia.

Na quinta-feira, 2, a discussão pegou fogo, quando o senador independente Rafael Orduz, segundo o jornal El Tiempo, criticou a "falta de transparência" nas discussões sobre a guerra biológica que se pretende levar a cabo no país. "O uso de fungos, estrangeiros ou nativos da Colômbia, pode ter efeitos nefastos sobre a saúde humana e o meio ambiente num dos países mais ricos em biodiversidade do mundo", afirmou. O senador protestou ainda contra o " lobby feito pelo governo dos Estados Unidos e pelo Programa das Nações Unidas para a Fiscalização Internacional de Drogas" para a utilização do fungo. No mesmo dia, mais de 50 colombianos da comunidade científica enviaram uma carta ao presidente Andrés Pastrana expressando sua preocupação com a guerra biológica através de fungos como o Fusarium oxysporum.

F.C - Morte por fax

Mesmo para quem está acostumado à violência das grandes cidades brasileiras, a Colômbia choca. Apesar de ser cantada em verso e prosa como "a mais antiga democracia da América do Sul", a Colômbia está longe disso. Dois partidos, o Liberal e o Conservador, revezam-se no poder há décadas. Quando o partido Unidade Patriótica (UP) surgiu, em 1985 – fruto de um acordo entre as Farc e o governo –, a fragilidade da democracia colombiana foi comprovada. Até hoje foram assassinados mais de 3 mil integrantes da UP.

O clima de terror é forte no interior, onde há combates entre guerrilheiros, forças públicas e paramilitares. Além dos massacres feitos pelos "paras", há os sequestros e recrutamentos forçados, boa parte atribuída às guerrilhas. Mas mesmo em grandes cidades, como Bogotá, o medo é evidente. Quem se destaca nos movimentos sociais é ameaçado de morte. Para garantir a segurança da missão da Via Campesina, com nove representantes de entidades camponesas da Europa e da América Latina, além de dois jornalistas (o fotógrafo francês Georges Bartolli e eu), o governo colombiano cedeu um carro blindado, armas para os seguranças das próprias entidades e rádios de comunicação. A missão visitou cinco Estados do país, todos atingidos por conflitos armados.

"Quase toda a direção do movimento agrário está ameaçada de morte. Os paramilitares nos mandam fax avisando que somos alvos. Eu mesmo estou ameaçado de morte e tenho que ficar me escondendo aqui em Bogotá", contou Javier Orozco, ex-presidente do Sindicato dos Funcionários do Instituto de Terras da Colômbia.

Nesse momento, Javier recebeu um fax, das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC), com 21 nomes de camponeses, acusados de serem "espiões das Farc", no qual constava um amigo seu. O aviso: "Vocês lêem os jornais? O que prometemos, cumprimos. Vocês vão morrer. Saiam de Campo Alegre e nos esqueceremos de vocês."

F.C.  - Especial

O perigo mora ao lado - continuação

Caça aos camponeses

Os paramilitares  e o cartaz do massacre de Santo Domingo: perseguição  e morte de camponeses

"Morte aos guerrilheiros e seus colaboradores." Aos gritos, fortemente armados, carregando listas, às vezes até dentro de laptops, com nomes de "suspeitos", os paramilitares, cerca de cinco mil em todo o país, sempre agem da mesma forma, com a missão de matar e principalmente aterrorizar os camponeses, para que fujam, engrossando as fileiras de um verdadeiro exército de refugiados de guerra, chamados de deslocados internos. Eles vestem-se com uniformes iguais aos do Exército colombiano, distinguindo-se destes apenas pelos braceletes das Autodefesas Unidas de Colômbia (AUC). Mas o povoado de El Salado, no Norte do país, foi escolhido a dedo por um grupo de 300 paramilitares, em fevereiro deste ano, para servir como um laboratório do inferno, durante três dias, numa "festa macabra", na qual 46 camponeses, incluindo crianças e idosos, foram executados. Os "paras" se divertiram, dançando, bebendo, torturando e matando quem viam pela frente, sem serem importunados pela presença, a alguns quilômetros dali, de unidades da polícia e do Exército colombiano, o mesmo que vai receber uma valiosa ajuda dos americanos.

Os "paras" disputavam as vítimas. Entre um assassinato e outro, eles escolhiam alguns camponeses para torturar. Um deles foi Luís Torres, 25 anos: "Amarraram uma corda em seu pescoço e o empurravam de um lado a outro. Quando o rapaz já estava enforcado e já havia vomitado a língua, eles arrancaram seus olhos com uma lima", descreve o relatório da Comissão de Justiça e Paz, da Igreja Católica, do primeiro trimestre deste ano. Quem tentava se aproximar do povoado era barrado nas estradas pelos militares. "O próprio Estado colombiano patrocina os paramilitares, que perseguem os camponeses e todos os movimentos sociais organizados no país", afirmou Pietro Alarcon, especialista em Direito Constitucional, que desde dezembro assumiu o Comitê Permanente de Defesa dos Direitos Humanos da Colômbia no Brasil. Segundo a ONG colombiana Centro de Investigação e Educação Popular (Cinep), os grupos paramilitares foram responsáveis por 74% dos assassinatos de pessoas protegidas e por 85% das torturas no país onde os massacres de camponeses já se tornaram rotina. Mas alguns deles são mais lembrados, como o Massacre de Santo Domingo: "No dia 13 de dezembro de 1998 as Forças Armadas da Colômbia, com participação de avião americano, bombardearam um povoado, provocando a morte de 18 pessoas, entre elas, sete crianças", lembrou o advogado colombiano Eduardo Wilches, da Organização Mundial contra Tortura (OMCT).

As estreitas ligações entre Exército e paramilitares é constatada também por entidades internacionais, como a Human Rights Watch. Segundo relatório deste ano, praticamente metade das 18 brigadas do Exército colombiano esá relacionada com as ações de paramilitares, que, por sua vez, são bancadas pelos narcotraficantes. Com os olhos marejados, a líder camponesa e auxiliar de enfermagem Ana Gantillo, 48 anos, conta que teve de passar dois anos fugindo dos paramilitares pelas montanhas, no Norte do país, onde vivia com sua família. "Me acusaram de colaboradora da guerrilha porque eu tinha uma pinça de enfermagem. Os ‘paras’ mataram, só por raiva, uma amiga minha, Ângela, 45 anos, e seus três netos, com cinco, três e dois anos. Eles costumam cortar pessoas vivas, em vários pedaços, usando motosserras, diante de todo mundo, para aterrorizar. Eles também degolam e às vezes penduram a cabeça num poste para dar exemplo", lembra Ana, que hoje vive refugiada em Bogotá.

Divulgado por Maria C. Rosa email: mariacrosa@uol.com.br

enviado por David Hathaway <hathaway@unisys.com.br>


Consulte o banco de dados da Rede CTA-UJGOIAS
O Universo Jurídico do Estado de Goiás
http://www.ujgoias.com.br - ujgoias@ujgoias.com.br

"A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo"    Peter Drucker


Rede CTA-UJGOIAS - Consultant, Trader and Adviser
Pelo Desenvolvimento Limpo de um Novo Mercado Financeiro!
Sindicato dos Economistas, no Estado de São Paulo

amyra@netdoctors.com.br - www.sindecon-esp.org.br

[ Topo ]

UJGOIÁS - O Universo Jurídico