Lgcta2.gif (7527 bytes)

Rede CTA-UJGOIAS - Consultant, Trader and Adviser
Pelo Desenvolvimento Limpo de um Novo Mercado Financeiro!
Sindicato dos Economistas no Estado de São Paulo
Rede - Sindecon Tel/Fax.: 3107.2035 -
amyra@netdoctors.com.br


03027000065 - Environment Justice x Finance - Potencial Econômico e Ambiental do Centro-Oeste - Por Paulo França 08/10/00

Environment Justice x Finance -

Potencial Econômico e Ambiental do Centro-Oeste

Por Paulo França *

A região Centro-Oeste do Brasil é composta pelos seguintes Estados: Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Alguns aspectos econômicos desses estados serão descritos na seqüência deste artigo.

O Estado do Mato Grosso possui uma grande área plantada da cultura de soja, portanto notícias expondo que o produtor brasileiro de soja respira aliviado com a previsão de quebra da safra americana e a quebra de safra nos EUA estimula soja brasileira, afetam positivamente o Estado. A grande riqueza ambiental do estado do Mato Gosso é o Pantanal Matogrossense (planície sedimentar de 230 mil km2, cortada pela bacia do Rio Paraguai, com relevo que varia entre 100 e 200 m. O Pantanal é considerado um das regiões mais piscosas do mundo, pela quantidade e diversidade de peixes). 

O Distrito Federal (DF) perdeu recentemente um investimento de R$ 32 milhões, da montadora Lada, para o Estado do Espírito Santo. A montadora russa Lada se instalararia no pólo de indústrias Juscelino Kubitschek, ocupando, só de área construída, cerca de 60 mil metros quadrados. O governo esperava que o projeto atraísse, pelo menos, mais 50 empresas do setor automotivo, principalmente de peças e componentes, e viabilizasse o Porto Seco do DF. A montadora iniciaria operações em 18 meses. A Lada poderia vir a gerar apenas 200 empregos diretos, porém cada emprego direto poderia ter gerado 29 empregos indiretos. A fábrica também se propunha produzir 16 mil veículos por ano. 

A tendência no Centro-Oeste é que o Distrito Federal e os outros Estados da Região tendem a formar uma região harmônica em termos econômicos. Os Investimentos projetados para o período 1998/2005 são de: Distrito Federal (R$ 2.653,8 milhões) e Goiás (R$ 6.478,40 milhões). A cidade de  Anápolis (cidade próxima à Goiânia, capital de Goiás) possue um Pólo  Farmoquímico com investimentos previstos de R$ 350 milhões e perspectiva de que a produção de remédios será triplicada a partir de 2003. Um Programa da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal pretende atrair cerca de R$ 343 milhões em investimentos privados. Aproximadamente R$ 20 milhões serão investidos em obras de acesso viário e urbanização. A Embratel escolheu Goiânia para seu "call-center" após pesquisar 72 cidades. O Distrito Industrial de Anápolis abrigará mais 5 grandes indústrias. Rio Verde, cidade do sul de Goiás, deverá atrair um movimento de negócios em torno de R$ 1,5 bilhão ao ano. A 260 quilômetros de Goiânia, Catalão (cidade no sudoeste do estado de Goiás) vive sua terceira onda de investimentos. A primeira propiciou o pólo mineral de Catalão-Ouvidor, formado ao redor das gigantescas reservas de rocha fosfática e nióbio, entre o final dos anos 70 e a segunda metade dos 80.   A segunda onda de investimentos em Catalão, a partir de 1997, foi o desembarque das montadoras Cameco e MMC Automotores, seduzidas pela posição geográfica estratégica da cidade e por generosos incentivos estaduais e municipais. A fase atual é de projetos de ampliação. Em termos ambientais, o Centro-Oeste tem um grande desafio a vencer:   mais de 50% da vegetação da Região está comprometida.

O estado de maior destaque na Região Centro-Oeste é Goiás. Pesquisa realizada junto a 41 sindicatos do estado, aponta que 20.927 indústrias operam atualmente no estado. Setenta por cento das empresas possuem menos de 20 empregados. Nos setores de alimentação, carne e extrativa mineral, a predominância é das empresas com mais de 100 empregados. O programa Fomentar do Governo Estadual (programa de incentivos fiscais para instalação e ampliação de empresas) é pouco utilizado pelas empresas filiadas aos sindicatos.

As indústrias de Goiás, constituídas por setor, em 1999 são: Fabricação de Produtos Alimentícios e Bebidas: 499 empresas; Confecção de Artigos de Vestuário e Acessórios: 422 empresas.; Fabricação de Produtos de Minerais Não Metálicos: 108 empresas; e Fabricação de Móveis e Indústrias Diversas: 153 empresas.

Os dez principais municípios de Goiás são: Goiânia, Anapólis, Niquelândia, Catalão, Aparecida de Goiânia, Luziânia, Itumbiara, Jataí, Minaçu e Caldas Novas. O potencial turístico de Goiás é significativo com destaque para o Turismo Internacional (Caldas Novas), Turismo Ecológico (Alto do Paraíso), Turismo Histórico (Goiás Velho e Pirenópolis), Turismo Religioso (Abadiânia e Trindade), sendo que existem uma série de   outras cidades com potencial turístico.

Para finalizar, o Estado do Mato Grosso do Sul, o estado mais próximo do Estado de São Paulo, possui uma capital muito aprazível (Campo Grande), uma cidade com bom potencial turístico (Bonito) e o estado como um todo apresenta potencial econômico para o desenvolvimento da agricultura e pecuária.

Paulo França é Economista com Especialização em Captação de Recursos Financeiros e na Elaboração e Análise de Projetos de Investimentos. Atuação como Consultor Econômico desde 1993 principalmente em Negociações com Instituições Financeiras Nacionais e Internacionais email:francapaulo@ig.com.br


Consulte o banco de dados da Rede CTA-UJGOIAS
O Universo Jurídico do Estado de Goiás
http://www.ujgoias.com.br - ujgoias@ujgoias.com.br

"A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo"    Peter Drucker


Rede CTA-UJGOIAS - Consultant, Trader and Adviser
Pelo Desenvolvimento Limpo de um Novo Mercado Financeiro!
Sindicato dos Economistas, no Estado de São Paulo

amyra@netdoctors.com.br - www.sindecon-esp.org.br

[ Topo ]

UJGOIÁS - O Universo Jurídico