03027000123 - Environment Justice x Finance - A Mineralização da Matéria Orgânica - Por Antonio Germano Gomes Pinto 16/12/00


Rede CTA-UJGOIAS - Consultant, Trader and Adviser
Pelo Desenvolvimento Limpo de um Novo Mercado Financeiro!
Sindicato dos Economistas no Estado de São Paulo
Rede - Sindecon Tel/Fax.: 3107.2035 - amyra@netdoctors.com.br

A Mineralização da Matéria Orgânica

Por Antonio Germano Gomes Pinto*

A Natureza que nos cerca é constituída de dois tipos de matéria, a Orgânica e a Mineral ou Inorgânica.

A matéria orgânica tem sua origem na vida vegetal ou animal, ela existe sob forma estável enquanto existe vida, com a ausência da vida, a matéria orgânica se desestabiliza, entra em degradação ou decomposição.

A degradação ou decomposição da matéria orgânica é o resultado da ação dos micro organismos aeróbicos ou anaeróbicos sobre a matéria que se transforma em alimento para estes seres microscópicos que nos cercam.

Se existe a presença de oxigênio, ou seja, se a matéria orgânica está à céu aberto ou ao ar livre, entram em ação os microorganismos aeróbicos que digerem a matéria orgânica, alimentando-se dela e expelindo para a atmosfera o gás carbônico.

Se a matéria orgânica está soterrada, em local onde não há oxigênio, entram em ação os microorganismos anaeróbicos que irão se alimentar dela, expelindo para a atmosfera o gás metano, também conhecido como gás natural, e este por sua vez, entrando na atmosfera, irá sofrer a ação do oxigênio e se transformará em gás carbônico.

A matéria orgânica poderá sofrer a ação direta do oxigênio, através de uma oxidação rápida, direta e enérgica (incineração) onde há a produção da energia calorífica.

A matéria orgânica é pois instável, e tão logo perca o "sopro" da vida entra imediatamente em decomposição e só se tornará estável após a completa mineralização. Não há estabilidade da matéria senão no estado mineral.

A mineralização natural ou decomposição da matéria orgânica por ação dos microorganismos é altamente prejudicial ao meio ambiente pois provoca a chamada poluição, e esta é prejudicial a vida, tanto vegetal quanto animal, podendo, dependendo de sua intensidade, levar a extinção da vida do planeta em que vivemos.

A partir da década de 60, portanto há poucos anos atrás, começaram a surgir as embalagens descartáveis plásticas que se transformaram nos maiores poluidores do meio ambiente, pois, dependendo do tipo de material plástico, a natureza levará dezenas ou mesmo centenas de anos para incorporá-lo na natureza, ou seja, para degradá-lo por ação dos microorganismos. O ideal é que este material plástico fosse reciclado, reaproveitado e retornasse à indústria, pois o plástico é um derivado do petróleo e este bem "mineral" não é renovável, se esgotará muito em breve, mas para se aproveitar o plástico seria necessária uma conscientização do usuário para que este material fosse recolhido em separado nas residências, comércio, indústria, etc., pois ficou comprovado estatisticamente que o aproveitamento do material plástico quando já misturado a outros detritos, já contaminado e sujo, é ante econômico pois, para cada dólar recuperado serão gastos dois dólares de investimento.

O destino final do lixo é evidentemente uma das maiores preocupações das autoridades, empresários e técnicos envolvidos com o problema. Por isso, um amplo trabalho está sendo desenvolvido junto aos investidores e à opinião pública em geral, sobre o Processo de Mineralização dos Resíduos Orgânicos, pois este promove soluções ambientais e econômicas muito interessantes e viáveis, solucionando o problema de destinação final dos resíduos urbanos, principalmente se levarmos em consideração os custos/benefícios de um processo deste nível e a diminuição até a extinção do problema social que é ter lixões onde as pessoas (principalmente crianças) vivem em condições sub-humanas.

A incineração a céu aberto, sem tratamento dos gases provocados pela queima, é altamente poluente, joga no ar que respiramos, além do gás carbônico, compostos de enxofre, nitrogênio, fósforo e, o que é pior, estruturas organo-cloradas que são cancerígenas.

É bem conhecida a poluição provocada pelas indústrias, pelos veículos auto motores, etc. e não podemos, nem devemos, contribuir mais ainda para o agravamento de uma situação já caótica, recomendando a incineração pura e simples do lixo urbano.

O produto da incineração, os gases e vapores emanados que comumente chamamos de fumaça, só deixará a atmosfera trazido pelas chuvas.

A umidade, a água das chuvas, reagirá com os gases e vapores da queima produzindo ácidos que, quando retornam à superfície da terra fazem grandes estragos, provocando a corrosão e oxidação nos metais, dissolvendo concretos, mármores ou mesmo as rochas.

É grande o estrago, monumentos históricos de todo o mundo estão sendo destruídos pelo que chamamos de chuvas ácidas.

Inspirado por estes problemas e pelos exemplos oferecidos pela Mãe Natureza, propusemos aproveitar a experiência dos antigos e, imitando os processos naturais de mineralização, criamos um reator capaz de mineralizar a matéria orgânica, componente do lixo urbano, de forma instantânea, sem poluição atmosférica ou ambiental, reduzindo o volume de lixo em até 97% e, o que é muito importante, transformando os 03% restantes em sais minerais, ricos em nitrogênio, fósforo e potássio, produtos estes que o Brasil importa.

O reator é capaz de imitar a natureza em sua plenitude, porém, sem produzir efluentes sólidos, líquidos ou gasosos, porque as reações se processam em circuito fechado, sem contato com o exterior.

O lixo, após reciclagem, onde são aproveitados os metais e vidrarias e, quando possível, papéis e materiais plásticos, é encaminhado por uma esteira rolante para um forno, pré aquecido a uma temperatura média de 1.000 graus Célcius. Esta temperatura é obtida pela incineração do próprio lixo, usando-se o combustível nobre apenas para dar a partida no processo, também não há consumo de água, só havendo uma pequena perda por evaporação.

Os gases e vapores da incineração são retirados do forno por exaustão forçada, lavados em meio alcalino e o produto da lavagem é forçado a reagir com as cinzas, transformando todo o produto da incineração, "fumaça" e cinzas, em sais minerais, nutrientes naturais do solo.

No Processo de Mineralização não há necessidade de pessoal especializado para operação dos equipamentos, sendo fonte de emprego para a população carente. O treinamento do pessoal que trabalhará nas usinas ficará a cargo da CLEANLINESS Projetos Especiais de Engenharia Ltda.

O que a natureza levaria dezenas ou mesmo centenas de anos para executar e integrar ao solo, provocando uma gigantesca poluição, o reator do Processo de Mineralização de Lixo Urbano executa de forma instantânea, sem poluir o meio ambiente, com o completo aproveitamento do lixo urbano.

O Processo de Mineralização de Lixo Urbano é um processo industrial de transformação onde a matéria-prima é o lixo, por isso podemos afirmar que será o processo de tratamento do lixo do próximo século ou por que não dizer, do próximo milênio.

Antonio Germano Gomes Pinto* é Diretor Técnico da CLEANLINESS Projetos Especiais de Engenharia Ltda. Email: <clean@pontocom.com.br>


Consulte o banco de dados da Rede CTA-UJGOIAS
O Universo Jurídico do Estado de Goiás
http://www.ujgoias.com.br - ujgoias@ujgoias.com.br


"Sei que meu trabalho é uma gota no oceano.
Mas sem ele, o oceano seria menor..."   Madre Teresa de Calcutá

Rede CTA-UJGOIAS - Consultant, Trader and Adviser
Pelo Desenvolvimento Limpo de um Novo Mercado Financeiro!
Sindicato dos Economistas, no Estado de São Paulo

amyra@netdoctors.com.br - www.sindecon-esp.org.br

[ Topo ]

UJGOIÁS - O Universo Jurídico